Olá, Visitante. Por favor entre ou registe-se se ainda não for membro.
Perdeu o seu e-mail de activação?

24 / Mai / 2024, 08:29

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão



Membros
Estatisticas
  • Total de Mensagens: 19108
  • Total de Tópicos: 4439
  • Online Hoje: 297
  • Online Total: 2245
  • (12 / Jan / 2023, 09:25)
Utilizadores Online
Membros: 0
Visitantes: 156
Total: 156
156 Visitantes, 0 Membros

Autor Tópico: Novos ecrãs = novos mercados??  (Lida 3353 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Rafael Madeira

  • Frequênte
  • *
  • Mensagens: 24
Novos ecrãs = novos mercados??
« em: 12 / Abr / 2011, 23:16 »
Boa Noite

Um vídeo exige um ecrã! Os ecrãs normalmente são aparelhos que necessitam corrente eléctrica, não podem estar em certos sítios, custam dinheiro, e as emissões são normalmente controladas por estações ou por quem legitimamente os usa para qualquer fim.
Por sua vez uma fotografia tem mais liberdade, imprime-se e facilmente se espalha por vários meios ou simplesmente pendura-se em algum sítio e ali fica com todo o seu conteúdo e mensagem aos olhos de quem quiser ver. A musica/som também pode passar em qualquer sitio, acompanha acções diárias sem exigir grande concentração, as coisas ouvem-se muitas vezes em 2º plano enquanto se faz alguma coisa.

O vídeo exige, também, um espectador que se concentre no seu conteúdo …e 10 minutos (que seja) é muito tempo na vida de alguém …o vídeo tem mesmo de valer a pena ser visto ou pode ser algo que seja importante para o espectador como o seu casamento ou o baptizado do filho.
O vídeo tem parentes ricos e poderosos como os grandes estúdios e as grandes cadeias de televisão e publicidade que ganham milhões e tem parentes pobres que é são as pequenas empresas normalmente associadas a BBCs e a acontecimentos locais….BBCs pois claro!... o que mais as pessoas poderão encomendar??...os cartões de cidadão têm uma foto não têm um vídeo…os fotógrafos fazem pequenos castings a pessoas normais que querem ser bem fotografadas e põem essas suas fotos na parede de sua casa …mas para quê serem filmadas não são actores!

Porém:
Estamos a atravessar um momento de mudança nas nossas relações com os outros e com o mundo, cada vez mais passamos mais tempo em frente aos ecrãs…digo ecrãs porque toda a gente (e é mesmo toda a gente) sabe clicar num link que o vai direccionar a um ecrã virtual sem mudar de ecrã fisico….será que isto não pode vir a ser uma oportunidade para quem faz vídeo de ter novos mercados??

Um exemplo: uma publicidade na net de uma imobiliária, com um logótipo ou foto que é um link para o desenvolvimento da publicidade que pode ser um pequeno vídeo…esse vídeo para ser alguma coisa em condições terá de ser feito por alguém experimentado (pro) caso contrario, e como todos sabem, vai ficar uma coisa sem jeito nenhum...porque tirar uma foto descritiva mal ou bem lá se tira e fica o registo…mas um vídeo esclarecedor, descritivo bonito é difícil mas provavelmente mais eficaz!
     
Boas

Offline José Costa

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 3,822
Re:Novos ecrãs = novos mercados??
« Responder #1 em: 14 / Abr / 2011, 01:26 »
Boas.
O seu texto é interessante, mas qual é a ideia por detrás? É que o que menciona já à muito se verifica. Poderá não estar muito divulgado, pois os custos são o factor limitativo, mas não é nada de novo. De maneira que pergunto: escapou-me algo? Quer desenvolver a sua ideia? Boas.
O profissional inovador não segue a multidão. Ele tem lucidez para remar contra a maré e não se importa em ser taxado como "um estranho no ninho". - Luiz Roberto Carnier

Offline Rodrigo

  • Regular
  • *
  • Mensagens: 67
Re:Novos ecrãs = novos mercados??
« Responder #2 em: 17 / Abr / 2011, 19:30 »
Viva!!

Compreendo, perfeitamente, a sua reflexão.

Em termos curtos e grossos, deixando o "romantismo" da sua reflexão,  a fotografia é mais rentável que o vídeo.

Um exemplo: no último Carnaval fiz a gravação de um desfile de uma escola e um colega meu fotografou. Ele vendeu 300 fotografias a 3 euros. Eu vendi 50 dvd´s a 5(!!!) euros. Tentei pedir 10, mas acharam caro (sem o ver sequer).

Houve mesmo quem tivesse a ousadia de me dizer: "filmei com a minha 8mm! não preciso do seu dvd, mas agradecia se me passasse as minhas filamgens para digital". Eu fi-lo, gratuitamente. Ofereci-lhe, também, um DVD dos meus. Mais tarde, a mesma pessoa veio-me pedir mais 5 dvd´s (dos meus), para oferecer, pagos a 5 euros e a reconhecer que esse valor era, manifestamente, pouco. Disse-me, ainda, que mostravam mais os meus 30 minutos que as quase 2 horas de filme dele, para além de ser mais agradável e ritmado. Enfim, o que dizer disto?!

Na minha opinião, há um preconceito muito grande em relação ao vídeo. No entanto, é certo que  a fotografia é mais imediata. O vídeo exige uma pre-disposição para ser visto. Uma fotografia vê-se em 5 segundos e dá para por numa moldura na sala para toda a gente ver a qualquer momento. O vídeo exige aparelhagem especifica, mais atenção e um ambiente propício. 

A fotografia apanha um momento, um ângulo que até pode favorecer muito o aspecto das pessoas. Pode fazê-las pensar que são bonitas. O vídeo pode captar dois ou três ou 10 ângulos, mas não consegue disfarçar continuamente a fealdade de uma pessoa, a menos que haja equipas de maquilhagem e iluminção por de trás. E aqui está outro aspecto, uma pessoa é capaz de fazer uma boa fotografia, já para se fazer um bom vídeo é preciso uma equipa.

Também, quando alguém vai comprar uma fotografia, não compra só uma. Compra a outra em que aparece a filha, o marido,  o genro, o cão e o periquito. Já o vídeo compra-se um para depois fazer cópia para espalhar por toda a familia.

Num casamento, por exemplo, na fotografia, vende-se o serviço, vende-se a coleccção aos noivos, vende-se a colecção aos pais e padrinhos. Vende-se aos convidados e, agora, o serviço de album digital. O vídeo vende-se por 300, 400, 500 euros e nada mais. Os convidados não compram. São distribuídas 4-5 cópias para os pais e padrinhos, e depois eles lá distribuem pelo resto da familia e convidados.

O vídeo é muito ingrato, mas a culpa também é nossa que não o sabemos divulgar e vende-lo convenientemente. Eu acredito que muito do preconceito do vídeo se deve a maus profissionais e à falta de especialização dos mesmos. Qualquer pessoa filma. Pode não perceber o que é um plano bem feito, pode não saber o que é um balanceamento de brancos, pode não saber criar uma narrativa na edição, mas desde que saiba estabilizar um pouco a camara e carregar no rec já é um "filmador". As pessoas ao verem esses trabalhos acham uma seca. Lá acham piada a meia duzia de momentos, mas o resto é perda de tempo. Vêem o filme uma vez, e arrumam-no na parteleira.

Para terminar, é preciso mudar isso, mas como?! Ideias?! Esforço?! União?! Regulamentização?!
   

   
 

Offline Fernando Martins

  • Animador 3D
  • Regular
  • *
  • Mensagens: 70
  • Animador 3D
    • Animação 3D e Efeitos Especiais
Re:Novos ecrãs = novos mercados??
« Responder #3 em: 18 / Abr / 2011, 21:41 »
Mais tarde, a mesma pessoa veio-me pedir mais 5 dvd´s (dos meus), para oferecer, pagos a 5 euros e a reconhecer que esse valor era, manifestamente, pouco. Disse-me, ainda, que mostravam mais os meus 30 minutos que as quase 2 horas de filme dele, para além de ser mais agradável e ritmado. Enfim, o que dizer disto?!

Deve-se dizer que "Ora ainda bem que isto aconteceu"! Porque assim houve um cliente que "viu a luz" e provavelmente divulgará os seus serviços a uns quantos amigos, assim como os deverá colocar a par da sua nova forma de ver as coisas. Era bom que houvessem mais desses!

Também dá para dizer que a oferta de DVDs que fez (a sua publicidade) não foi em vão e deu frutos imediatos. E também dá para dizer que deve ter orgulho no seu trabalho, que pelos vistos é realmente de qualidade, de outro modo o seu cliente não o contactaria para adquirir mais DVDs nem teceria aqueles comentários elogiosos :)

Como vê, ainda dá para dizer muita coisa!  ;-)
Fernando Martins
_____
/- /|/| 3D Animation and Special Effects