Olá, Visitante. Por favor Entre ou registe-se se ainda não for membro.
Perdeu o seu e-mail de activação?
18 / Jan / 2019, 13:39

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão


www.grupeer.com



Membros
Estatisticas
  • Total de Mensagens: 18022
  • Total de Tópicos: 3895
  • Online Hoje: 92
  • Online Total: 258
  • (04 / Ago / 2012, 01:11)
Utilizadores Online
Membros: 0
Visitantes: 86
Total: 86
86 Visitantes, 0 Membros

Autor [EN] [ES] [IT] [DE] [FR] [NL] [RU] Tópico: O futuro do filme de casamento em Portugal  (Lida 14249 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline José Costa

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 3,822
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #15 em: 13 / Jun / 2012, 09:31 »
Boas.
A. Caneira, relativamente às suas duas observaçôes, devo dizer o seguinte:

Vocês na "vossa/nossa" empresa, gastam quantidades enormes de electricidade. Num tópico com cerca de 2 anos, você refere que para  a iluminação de um concerto de inauguração, após a recuperação dos 6 Orgãos da Igreja do Convento de Mafra, a potencia total da iluminação utilizada, ultrapassou os 200.000 Watts. Numa só janela, utilizaram 4 KW. Não acha que é luz a mais? Não acha que é um exagero de iluminação, iluminação essa que é paga pelos contribuintes, quando qualquer câmera das que os Users daqui têm era capaz de o fazer sem necessidade de mais iluminação que a normal do sitio?

Dois geradores em paralelo, 600KVA + 500KVA, mais de um milhão de Watts de energia disponivel, tudo para gravar um concerto dentro de uma igreja, e ainda por cima musica de orgão? Não considera que é um exagero? Era preciso tanto, que umas lampadas fluorescentes de 50 watts não conseguiam fazer?

Posto isto, pergunto:

Quero debater este assunto consigo. O assunto é claro. Mas não acha que para eu o poder fazer, tenho primeiro de saber mais umas coisinhas sobre iluminação? Eu tenho a minha opinião, certa ou errada, é a minha opinião, mas para ter um debate sério consigo sobre o assunto, não devia eu estar mais por dentro do que quero debater? Debate não é o mesmo que aprendizagem, debate é falar com algum conhecimento de causa, de problemas e de soluçôes, de causas e de efeitos.

Você não percebe nada deste segmento de mercado, pegando nas suas palavras, mas tem conhecimentos sobre a àrea do video. E com os seus conhecimentos, saberá olhar para os videos colocados no inicio do tópico e dizer o que neles está implicito. Não é meramente um paspalho com uma câmera ão ombro que os faz, é uma equipa inteira para o fazer, bem ou mal. Você sabe ver a ilusão das imagens, mas também sabe ver a realidade técnica das mesmas.

Eu sei quem você é (A. Caneira) e sei os conhecimentos que você tem. Mas não sei quem é o Paulo e que conhecimentos ele tem. Ele tem direito às suas opiniôes, mas será que tem conhecimentos suficientes para debater sobre um assunto sério como o que propôe? Não estou a afirmar nada, apenas a perguntar.

Fui ver o perfil do Paulo e nada fiquei a saber. Fui ver as mensagens antigas dele, e tudo me leva a acreditar que talvez não esteja tanto por dentro do assunto assim. Posso estar enganado, mas por isso é que perguntei o que perguntei. Por vezes não basta olhar só para um "local" especifico, é preciso ver o panorama no total. Foi o que tentei fazer, para minha informação.

Gosto de debater e gosto de ensinar. Mas se é debate que se propôe, os intervenientes têm de estar minimamente por dentro do assunto. Se não estão, então primeiro é preciso aprender, e para se aprender não é entrando num debate destes. Se eu quero debater técnicas e processos sobre iluminação com o A. Caneira, não posso entrar no debate com o tipo de opinioes que dei logo no inicio desta mensagem. Serei um tolo a debater com um profissional. Mas se tenho como objectivo aprender, então converso com ele, pergunto, questiono... mas não entro num debate sobre o assunto. Quanto muito, fico a assistir. O mais natural é chegar ão fim e não entender nada, mas esse já é um problema meu, não é mesmo?

Mas esta é apenas a forma como vejo as coisas. Posso estar errado, e até admito estar, mas é a minha forma de ver as coisas.

Paulo, não leve a mal, mas eu sou um individuo que possivelmente não sabe muito bem como se expremir. Nada de pessoal, e se de alguma forma o ofendi ou se fiz um juizo errado sobre si e os seus conhecimentos técnicos sobre o assunto, acredite que não foi com essa intenção. Boas.
O profissional inovador não segue a multidão. Ele tem lucidez para remar contra a maré e não se importa em ser taxado como "um estranho no ninho". - Luiz Roberto Carnier

Offline José Costa

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 3,822
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #16 em: 13 / Jun / 2012, 10:27 »
Boas.
Reli todo o tópico e cheguei à conclusão (possivelmente já tarde) de que efectivamente este tipo de debate não se coaduna com a minha personalidade. Como alguém já aqui o referiu uma vez, tenho uma personalidade forte de mais para este tipo de questôes. Escrevo sempre o que quero, mas receio de que nem sempre passe a mensagem correta acerca do que penso.

Não apago o que para trás está escrito, pois mantenho a minha linha de pensamento. No entanto, questiono a minha maneira de me expremir, e acredito, a exemplo do que já no passado outras mensagens me chegaram, de que a maneira como escrevo tem o dom de retrair a participação de alguns Users, além de que eu próprio me questiono até que ponto a minha participação é benéfica para o tema proposto.

Assim, com todas as desculpas para os presentes e intervenientes, estou retirando-me do debate. Boas.
O profissional inovador não segue a multidão. Ele tem lucidez para remar contra a maré e não se importa em ser taxado como "um estranho no ninho". - Luiz Roberto Carnier

PortugalVideo - Fórum

Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #16 em: 13 / Jun / 2012, 10:27 »


Offline pmff

  • Frequênte
  • *
  • Mensagens: 38
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #17 em: 13 / Jun / 2012, 10:41 »
não é preciso ir aos extremos...e não se retire, precisamos de todos para melhorar!

Offline pmff

  • Frequênte
  • *
  • Mensagens: 38
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #18 em: 13 / Jun / 2012, 10:48 »
Criar valor acrescentado! É o que esses senhores das video conferencias e outros estão a fazer e muito bem. Querem ganhar nome, ganhar dimensão, chegar mais além! Querem ser eles a fazer os casamentos dos dos "Feteira" lá do sítio."

é exactamente isso que eles têm feito, acrescentar valor ao produto deles, vender o produto deles e mais do que isso eles estão juntos nisto, eles debatem e ajudam outros profissionais da área de como devem ir, para onde devem ir e o que fazer para lá chegar. não sei se me fiz entender.


Acho que os profissionais desta área devem-se unir mais e não virarem as costas uns aos outros, é a minha opnião. Pois ultimamente tenho aprendido mais com profissionais de outros países do que Portugueses.

Penso que tambem para evoluirmos deve existir mais formação em Portugal.

Offline pmff

  • Frequênte
  • *
  • Mensagens: 38
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #19 em: 13 / Jun / 2012, 11:04 »
A abertura que eu tanto falo podem ver aqui

https://www.facebook.com/groups/147564718702036/

Offline Rodrigo Pinheiro

  • Residente
  • *
  • Mensagens: 201
  • PORTUGALVÍDEO sempre
    • 1000eventos
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #20 em: 13 / Jun / 2012, 12:50 »
Boas,

Acham que finalmente em os Portugueses começam a dar valor ao video?!
Acho que não. O que os nossos clientes querem é o que a NKG faz mas pagando só 400/500€. Claro que eles gostam do vídeo de casamento deste estilo porque o acesso à net é igual para todos, só que o que vêem é o produto final, é muito bonito, mas não vêem entre as linhas, que é o que nós vemos, para chegar a esse produto final existe uma panóplia de meios humanos e materiais. Ou seja não é com 400/500€ que se consegue fazer o que a NKG faz, e os nossos noivinhos não entendem isso.

Acham que os nossos clientes podem aceitar/gostar um trabalho tipo da NKG?! ou a nossa cultura e a ideia que os portugueses tem do video de casamento ainda é muito tradicional?
Aceitam e gostam. Não é a cultura tradicional mas sim o que os profissionais vendem.

Quanto ao debate aqui nesta comunidade, como poderá ver neste tópico, é uma pergunta direta, qualquer user pode responder porque não é uma pergunta técnica e veja quantos é que se pronunciaram :(!
Na verdade, um vídeografo não tem outros inimigos sérios senão as suas péssimas imagens.

Panasonic AG-AC 90: Sony HDR FX1000E: Adobe Premier CS6

Offline AC

  • Sup. Téc. Fórum
  • *
  • Mensagens: 2,289
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #21 em: 14 / Jun / 2012, 15:52 »
Caro José Costa, não discordo de qualquer das suas palavras nem da forma como me respondeu, mas acontece que tambem o "conheço" e sei interpretar.
Mas voltando ao tópico.

Não é meramente um paspalho com uma câmera ão ombro que os faz, é uma equipa inteira para o fazer, bem ou mal. Você sabe ver a ilusão das imagens, mas também sabe ver a realidade técnica das mesmas.

Tenho quase a certeza, que se não em todas, pelo menos na grande maioria das intervenções que fiz relativamente a este tema da "produção" de BBC's, directa ou indirectamente, sempre bati no ponto de que o "salto" só será dado com trabalhos em equipa. É muito dificil uma pessoa sozinha, por muito bom que seja, tratar do som, da luz, da imagem, e da produção. A Produção é essencial, em qualquer trabalho e em BBC's não é excepção.

Dirá o José Costa, ou outros... deixe-se de ilusões e olhe para a realidade. E com razão!
Os exemplos dos videos apresentados terão sido feitos no Brasil, país que tenho a sorte de conhecer (não como turista) o suficiente para saber que estas coisas são encaradas por lá de forma diferente. Se um casal (familia)quer ter o seu evento captado em video, é porque o quer mesmo, e vai colaborar, não só eles, como toda a gente. Se não o quer, deixa que seja um familiar ou um 1,99 a fazer. Realmente qualquer um faz play/rec
Depois hà quem queira mas não possa... deixa tambem para os do 1,99! Como dizia o outro post, hà mercado e lugar para todos.
Por cá tambem hà gente com possibilidades de pagar trabalhos como os apresentados no primeiro post, mas haverá por cá alguma estrutura que os proponha e faça? Possivelmente sim, ou não!

Citar
Facilmente encontrarão 2 fotógrafos, mais 2 operadores de camera com 2 tripés e um slider

Filipe Áraujo, tambem reparei como estavam vestidos! Há alguns anos atrás houve por aqui uma discussão sobre isso e quase me batiam por ter defendido que, especialmente quem está "dentro" do evento devia vestir de acordo com o mesmo. Até se disse que se achassem que deviam levar um cachecol de um clube desportivo, levariam.
Infelizmente isto acontece não só nos BBC's. Já vi um assistente de realização ir para a gravação de uma Ópera de calções (e só iria estar nos bastidores). É claro que, infelizmente não pela empresa que o contratou (a RTP) mas por responsáveis do Teatro S. Carlos, foi convidado a ir-se embora!

Tudo isto é Produção!

Mas que raio de interesse tenho eu nisto? Nenhum ou todo! Assisto perigosamente a um banalizar do trabalho em video, seja em que área ou segmento for, luto contra!
« Última modificação: 14 / Jun / 2012, 16:00 por AC »
A quem não quer ver, nem a mais intensa luz ilumina!

Offline pmff

  • Frequênte
  • *
  • Mensagens: 38
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #22 em: 14 / Jun / 2012, 16:47 »
Por cá tambem hà gente com possibilidades de pagar trabalhos como os apresentados no primeiro post, mas haverá por cá alguma estrutura que os proponha e faça? Possivelmente sim, ou não!

Estrutura há... há empresas com material suficiente e pessoal para fazer estes trabalhos, mas o trabalho que a NKG faz não é só no dia.

existe um trabalho antes das cerimonias com os noivos, durante e após (na sua edição) do que conheço tenho que dizer que infelizmente ainda não...digo ainda não pois não tenho dúvidas que temos que caminhar para aí! quem não caminhar vai ficar perdido pelo caminho.

E quando digo antes das cerimonias não falo dos clips deles mas sim do preparar dos clientes para o trabalho.

já tive o prazer de falar praticamente com todos os colaboradores da NKG via net, e retenho umas palavras que eles me disseram, "hoje em dia já pouco importa o material que voçê usa, é praticamente todo identico, o importante é a qualidade e o trabalho final ter a cara do cliente, nenhum trabalho pode ser igual ou parecido a outro!"  ou seja não adianta ter ferraris nas mãos e depois produzir um trabalhito.


tudo o que falas-te é mesmo produção AC!
de resto AC, concordo contigo, pensamos da mesma forma...

Offline Filipe Araújo

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 736
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #23 em: 14 / Jun / 2012, 17:56 »
  Boas,

a coisa de 2 a 3 anos atrás, talvez no momento em que entrei na faculdade apercebi-me de algumas realidades, inclusive o aumento de alunos nas faculdades, a base prática exigida e do impacto da orientação na curta curva de crescimento de conhecimento que refletia. Vi com os próprios olhos alunos que não sabiam o que era uma timeline, e no final do semestre (com a orientação devida) a fazer alguns trabalhos de fazer inveja (face ao tempo em que trabalharam com tais ferramentas).

 Conclusão, apesar de o meu curso ser de Design Gráfico, rapidamente criei paralelismos com outras saídas académicas, a exemplo de cursos de fotografia, comunicação Social, jornalismo, etc. Digo isto porque prevejo que, em poucos anos o nosso mercado (BBC), estará rapidamente inundado de pessoal altamente qualificado, face as saturações das próprias áreas.
 
Quando alguns elementos, que foram preparados para voos mais altos, com um espirito critico mais refinado, se dedicarem a sério na nossa área, explorando ferramentas como after effects, in design, animação 3D, novas metedologias de trabalho, etc … acrescido da frescura da juventude, entrarem no nosso mercado, teremos (aqueles que já andam aqui a alguns anos) sérias dificuldades em acompanhar.

 Assim prevejo para o futuro do vídeo de casamentos, que por um lado dentro de alguns anos teremos trabalhos de topo, que fará também deste país um exportador de serviços (ou seja, serão mais o numero os fotógrafos e videografos convidados a fazer capturas no estrangeiro, que mais tarde será cá finalizado) pela relação qualidade/preço que toda a cadeia do trabalho sofre. Com as Rayiens Aires, clics e afins, que tornaram as nossas cidades em aldeias mais próximas. Por outro lado, quem não se adaptar as novas ferramentas, irá competir pelo preço, pois não tem outra opção.
 Se tomarmos como um facto a exposição que cada um tem de se submeter, voluntaria ou involuntariamente as redes sociais, sites e blogues de noivas. Acredito que o tempo que demora a alguém projetar um bom trabalho será mais curto, da mesma forma que quem fizer um mau trabalho viverá pouco tempo neste meio. As redes sociais atrás mencionadas darão um mãozinha final (empurrão).

 Por outras palavras, será mais do mesmo, com maiores extremos e vidas com mais pressão ou mais curtas. O capitalismo desenfreado está aí.

 Gostaria de acrescentar, alguns meus pontos de vista a este tópico. Sem dúvida que a empresa a que se refere trabalha bem e sabe o que faz. No entanto não creio que acrescentem nada a chamada “escola americana” que a anos faz exatamente a mesma coisa. A meu ver, de algum tempo a esta data apenas vejo imitações, umas com mais ou menos sucesso. Sinto alguma ilusão, e com todo o respeito não creio que eles estão a acrescentar nada.

 Outro aspecto que creio ser importante é o seguinte, reconheço que estes trabalhos são executados com mestria, entrega e meios, mas acima de tudo com muita participação dos casais num dia em que o que eles menos tem, é tempo. Sendo eu o melhor barómetro de mim mesmo, a exemplo do que fiz quando casei, quis só e apenas que quem me filmasse me ocupasse o mínimo de tempo possível, para estar com o que considero ser o mais importante, estar com as pessoas e gozar o dia. Claro está, que respeitei e facilitei as imagens, mas sempre dento de um limite. Menos ainda gostaria de investir dias antes e depois para simular imagens do que não aconteceu.
 Entendo o nosso trabalho como reportagem e contadores de histórias que aconteceram e não como criadores de histórias só porque são diferentes ou tem mais projeção.

 O futuro, são vários futuros, um deles será a não intervenção no dia e que está na linha oposta a que sugere. Há gostos e gostos.

 Na linha da empresa que fala, se fizer uma pesquisa a alguns anos atrás a esta data, encontrará já trabalhos de Luís Rolo, e outros como ele, que são bons exemplos dessa linha de trabalho nacional e que prova que a NKG não trás nada de novo.


 Já agora, um pedido, José Costa não saia desta discussão porque para além de fazer cá falta, creio que o assunto está mais quente e pelo que o conheço gostará certamente de participar.


 Filipe Araújo.
« Última modificação: 14 / Jun / 2012, 18:01 por Filipe Araújo »

PortugalVideo - Fórum

Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #23 em: 14 / Jun / 2012, 17:56 »


Offline pmff

  • Frequênte
  • *
  • Mensagens: 38
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #24 em: 14 / Jun / 2012, 18:24 »
Outro aspecto que creio ser importante é o seguinte, reconheço que estes trabalhos são executados com mestria, entrega e meios, mas acima de tudo com muita participação dos casais num dia em que o que eles menos tem, é tempo. Sendo eu o melhor barómetro de mim mesmo, a exemplo do que fiz quando casei, quis só e apenas que quem me filmasse me ocupasse o mínimo de tempo possível, para estar com o que considero ser o mais importante, estar com as pessoas e gozar o dia. Claro está, que respeitei e facilitei as imagens, mas sempre dento de um limite. Menos ainda gostaria de investir dias antes e depois para simular imagens do que não aconteceu.

aqui discordo...a unica coisa exigida dos noivos pelo que vejo é aquilo que nos já exigimos basicamento o vestir do casal.... de resto é capturar os promenores aqueles que sao realmente importantes e para recordar.

De resto acho excelente a tua observação sobre os futuros profissionais da área cada vez mais qualificados, e vem ao encontro do que eu digo.... o futuro ou melhor o presente é por aqui, quem não acompanhar vai ser dificil.

Offline Rodrigo Pinheiro

  • Residente
  • *
  • Mensagens: 201
  • PORTUGALVÍDEO sempre
    • 1000eventos
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #25 em: 14 / Jun / 2012, 19:24 »
Boas,

Algo que gostava de saber é o preço médio que a NKG cobra para um serviço de casamento em que leva 4 operadores! Depois de saber o valor, aí sim vou perceber o nicho de mercado que poderemos ter aqui em Portugal :-".

... Entendo o nosso trabalho como reportagem e contadores de histórias que aconteceram e não como criadores de histórias só porque são diferentes ou tem mais projecção.

 O futuro, são vários futuros, um deles será a não intervenção no dia e que está na linha oposta a que sugere...
=D> Sempre pensei assim e "acradito" (como diz o Jorge Jesus) :lol: que o futuro continuará a ser o presente, ou seja, haverá sempre clientes para grandes produções, para médias produções e para baixas produções, o meu maior receio é os casamentos acabarem  :cry:.
Na verdade, um vídeografo não tem outros inimigos sérios senão as suas péssimas imagens.

Panasonic AG-AC 90: Sony HDR FX1000E: Adobe Premier CS6

Offline AC

  • Sup. Téc. Fórum
  • *
  • Mensagens: 2,289
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #26 em: 14 / Jun / 2012, 19:53 »
aqui discordo...a unica coisa exigida dos noivos pelo que vejo é aquilo que nos já exigimos basicamento o vestir do casal.... de resto é capturar os promenores aqueles que sao realmente importantes e para recordar.

Cingindo-me apenas aos dois videos exemplo, não posso estar mais em desacordo contigo!

Aos noivos foi pedida muita coisa, e havia um conhecimento previo do que ía acontecer!
Video 1, por volta dos 3:13, a espontanedade do momento de emoção do noivo ao receber o papelinho foi bem apanhada (pareceu-me natural e que ele não saberia o conteudo do papelinho), mas que o momento era esperado e estava planeado (produção) não tenho duvida, até porque ouve a captação em off da voz da noiva (que colaborou, mais uma vez se nota a pré produção). A arte pode estar em saber deixar acontecer alguma espontanedade em algo que está completamente planificado previamente. Os dois videos têm imensos exemplo disso. E não tenho qualquer duvida que trabalhos desses só são possiveis quando os noivos (e outros intervenientes) estão dispostos interpretar, na verdade eles são os actores principais do seu proprio "filme"

Algo que gostava de saber é o preço médio que a NKG cobra para um serviço de casamento em que leva 4 operadores! Depois de saber o valor, aí sim vou perceber o nicho de mercado que poderemos ter aqui em Portugal :-".
 

Tambem gostava de saber!
No minimo aquilo é trabalho para uma equipa de 6 a 8 pessoas, possivelmente quatro dos quais operadores de imagem (entre video e fotografia).

A questão do nicho, não é de desperdiçar... se repara-mos bem, actualmente em tempo de crise, em hora nobre só hà duas marcas a anunciar automóveis, e destinam-se a um nicho, ele existe!
A quem não quer ver, nem a mais intensa luz ilumina!

Offline Filipe Araújo

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 736
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #27 em: 14 / Jun / 2012, 20:18 »

 Ora....

 só vemos o que nos é possível ver ou deduzir. Por vezes há micros de lapela, repetições, .... mais repetições e de certeza que não estamos a ver o filme na integra, menos ainda o que foi apagado.

 Repare não quero ser do contra, nem tão pouco o quero desmotivar ... eu próprio fiquei deslumbrado alguns anos atrás com alguns vídeos que vi na altura. Ficava especialmente sensibilizado com a captura do momento certo e pela diversidade de planos existentes. Hoje penso de forma diferente. Pense nisto, nos planos do quarto onde o pai arranja a gravata, tem uma imagem paralela a janela (silhueta) e outra diagonal ao noivo. Daí deduzo que serão 2 videografos, acrescentando 2 fotógrafos a situação, isto para o não obrigar a repetir as sequências dá 4 elementos. Portanto 2 pessoas a agir com 4 profissionais a registar no mesmo quarto. Acha isso natural?

 Filipe Araújo. 

Offline pmff

  • Frequênte
  • *
  • Mensagens: 38
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #28 em: 14 / Jun / 2012, 21:04 »
esqueçam os fotografos, nada tem a ver com a empresa NKG nem com este topico :) ou acham que se o fotografo tivesse a ver com a empresa se ia colocar como no video 1 atras do noivo quando ele entra para casar! lol que personagem....

filipe não ha repetições nem mais repetições, pois ninguem está para isso no dia do casamento como o disses-te, nem o padre casa duas vezes, nem o maquilhador maquilha 10vezes os labios,  agora antes da cerimonia ou do evento, existe um trabalho com o cliente que é de conhece-los e saber o que é que eles estão a pensar fazer, o que é que vão fazer um ao outro no dia deles, se quem vai filmar souber o que vai acontecer é facil estar preparado no momento.

Se querem chamar o "conhecer o cliente", de como estão a planear o dia deles de pre-produção força o nome não é importante pessoal, o que é importante é que  conhecem os clientes sabem o que eles querem e até onde podem ir com eles.

já assisti a casamentos como convidada onde o pessoal que vai trabalhar nem o nome dos clientes sabiam, ora como é que aquele trabalho há-de de se identificar com o cliente se eles não sabem nem sequer as expectativas que eles tem com o video. vai ser dificil claro


É obvio que são varias pessoas a filmar, por isso é que tem imagens de vários angulos coisa impossivel para apenas uma pessoa sozinha

há uma coisa que ainda ninguem falou aqui sobre os videos que eu postei, correção de cor... que têm a dizer?

finalmente comeca-se a tirar sumo de várias pessoas era isto que eu pretendia, aprender com todos e perceber vários pontos de vista!

Offline AC

  • Sup. Téc. Fórum
  • *
  • Mensagens: 2,289
Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #29 em: 15 / Jun / 2012, 00:28 »
Se querem chamar o "conhecer o cliente", de como estão a planear o dia deles de pre-produção força o nome não é importante pessoal, o que é importante é que  conhecem os clientes sabem o que eles querem e até onde podem ir com eles.

O nome não é importante? E a função, é?
Quem é que conheçe os clientes e até onde estão dispostos a ir? Os operadores de câmara? É a eles que compete esse trabalho prévio?
Acho que tem mais umas perguntinhas para fazer ao pessoal da NKG na proxima video-conferencia.
Cá para mim aquilo tem produção e Produtor, e produtor é só a função e a pessoa mais importante em qualquer evento. E o nome interessa sim!
Se depois acumula com outra função, como a de operador de câmara, realizador, isso é outra conversa. No "cinema" estamos fartos de ver casos desses.
A quem não quer ver, nem a mais intensa luz ilumina!

PortugalVideo - Fórum

Re: O futuro do filme de casamento em Portugal
« Responder #29 em: 15 / Jun / 2012, 00:28 »