Olá, Visitante. Por favor Entre ou registe-se se ainda não for membro.
Perdeu o seu e-mail de activação?
19 / Jan / 2019, 16:40

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão


www.grupeer.com



Membros
Estatisticas
  • Total de Mensagens: 18022
  • Total de Tópicos: 3895
  • Online Hoje: 110
  • Online Total: 258
  • (04 / Ago / 2012, 01:11)
Utilizadores Online
Membros: 1
Visitantes: 105
Total: 106
105 Visitantes, 1 Membro
Diamantino simão

Autor [EN] [ES] [IT] [DE] [FR] [NL] [RU] Tópico: Jornalismo: profissão de risco!  (Lida 1453 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline José Costa

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 3,822
Jornalismo: profissão de risco!
« em: 02 / Jul / 2012, 04:41 »
Jornalismo: profissão de risco!

Segundo o Committee to Protect Journalists (CPJ), em 2011 morreram 43 jornalistas, tendo sido o Paquistão o país onde morreram mais jornalistas em serviço, num total de sete. O Paquistão lidera a lista, pelo segundo ano consecutivo.

Ao Paquistão seguem-se a Líbia e o Iraque, com cinco jornalistas mortos, respectivamente. De referir ainda os três jornalistas que foram assassinados no México durante 2011. No Brasil foram dois os jornalistas assassinados em serviço.

Em 2010, o número total de jornalistas mortos em serviço foi de 44, números similares aos de 2011. Já 2009, foi o pior ano de que há registo, com a morte de 74 jornalistas no cumprimento das suas funções.

O CPJ também refere as mortes de jornalistas não confirmadas, ou seja, não se conseguiu determinar a razão certa para a morte, mas não se pode colocar de parte a hipótese de estas mortes terem sido relacionadas com o trabalho.

O número total de mortes de jornalistas não confirmadas também foi o mais alto desde que há registo. 35 jornalistas perderam a vida.

Há ainda uma terceira lista, a dos trabalhadores ligados aos media, como por exemplo, tradutores, motoristas, seguranças ou trabalhadores na área da logística ou administrativos. O número total de mortes de trabalhadores ligados aos media foi cinco.

José Costa
O profissional inovador não segue a multidão. Ele tem lucidez para remar contra a maré e não se importa em ser taxado como "um estranho no ninho". - Luiz Roberto Carnier

PortugalVideo - Fórum

Jornalismo: profissão de risco!
« em: 02 / Jul / 2012, 04:41 »