www.grupeer.com

Olá, Visitante. Por favor Entre ou registe-se se ainda não for membro.
Perdeu o seu e-mail de activação?
21 / Mar / 2019, 16:04

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão


www.grupeer.com



Membros
  • Total de Membros: 660
  • Ultima: helnina
Estatisticas
  • Total de Mensagens: 18054
  • Total de Tópicos: 3914
  • Online Hoje: 60
  • Online Total: 258
  • (04 / Ago / 2012, 01:11)
Utilizadores Online
Membros: 0
Visitantes: 39
Total: 39
39 Visitantes, 0 Membros

Autor [EN] [ES] [IT] [DE] [FR] [NL] [RU] Tópico: Passado e presente  (Lida 1532 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline José Costa

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 3,822
Passado e presente
« em: 15 / Jul / 2013, 18:16 »
Boas.

Uma experiência de vida:
Precisei de trocar um sifão de lavatório. Era daqueles antigos de metal, feitos para durar. E tanto é que durou alguns 40 anos. Mas nada dura para sempre e fui á drogaria comprar um para o substituir.

O vendedor veio com um modelo em plástico, algo parecido com um tubo de mangeira de máquina de lavar.

-"É isto que agora se está a usar e é do mais barato que hà!" - disse ele, mostrando como o sistema funcionava. Um tubo flexivel, dobrava e estava feito o sifão. O conceito era algo estranho, mas comprei. A loja não tinha outro modelo e eu precisava de resolver rapidamente o problema no lavatório.

Instalei e no dia seguinte o parafuso já estava a ganhar ferrugem. O parafuso que devia ser em aço inox por causa das águas, não era mais que cromado ou algo do genero. Duas semanas depois, aquilo partiu. Lá tive eu que resolver as coisas de uma outra forma.


Um facto:
Há cerca de 15 anos atrás, as casas de fotografia que faziam cópias de cassetes (para vhs, pois ainda não existia o DVD), cobravam em média cerca de 25 euros (5 contos à altura) pela passagem da cassete. Dois videos, Player e Rec, e estava o trabalho feito. Era metido dentro de um estojo plástico e pronto. 25 euros ganhos.

Hoje praticamente todas as casas o fazem, se não internamente, subcontratam outros para o fazer. O preço é em média 15 euros. Já não é para VHS mas sim para DVD. Tem estojo plástico, capa muitas vezes personalizada (impressão), menús, ... disse 15 euros, mas já conheci quem estava a cobrar 5 euros pelo serviço.

Uma conclusão:
Os fabricantes/fornecedores estão sempre á procura de novas formas de produzir com custos cada vez mais baixos. Mas isso significa que muitas vezes a qualidade do produto é bastante inferior. Quer seja pela qualidade dos materiais, quer seja pela concepção. Quem compra procura muitas vezes preço, e os poucos que procuram qualidade, sabem que vão ter de pagar um preço mais elevado. Sempre foi assim. Cada um escolhe em função das suas posses, conhecimentos ou necessidades.

No entanto, constacto algo: os productos de qualidade inferior são cada vez mais baratos, e os de qualidade superior têm aumentado de preço, com algumas excepçôes aqui e ali. Mas por norma, o preço tem subido ligeiramente ao longo dos anos.

O preço cobrado pela prestação de serviços tambem se tem alterado. Muito por força da crise, muitos são os que optam por não aumentar os preços. Falo de mecánicos, empregadas domésticas, dentistas, .... os preços têm-em-se mantido ao longo do tempo, no que a mão de obra diz respeito. Até porque, em muitas situaçôes, o tempo dispendido para efectuar uma determinada tarefa tem diminuido, graças ás novas tecnologias. Um mecánico tem hoje equipamentos que o ajudam a identificar os problemas automóveis, que á meia dúzia de anos atrás não existiam, e isso contribui para fazer o trabalho mais depressa. Mas uma cabeleireira, essa, continua a ter que fazer o trabalho manualmente, pelo que demora o mesmo tempo que outra à 10 anos atrás. Como tal, se não aumentou o preço cobrado pelos seus serviços, tem pelo menos mantido o mesmo.

Mas á uma área que segue uma têndencia exactamente oposta ão do resto do mercado, cá em Portugal. O producto final é muitas vezes superior, mas os preços são cada vez mais baixos. Falo da prestação de serviços na área do video, mais especificamente das reportagens BBC (Bodas, Batizados e Casamentos).

Muito por força do que se vê na net, e da vontade de muitos profissionais em fazer cada vez mais e melhor, muito se tem investido em equipamento e tempo. Utilizam GoPro, Slider, estabilizador de mão, gravador de audio, por vezes mesmo uma pequena grua e mais uma câmera, ... os que estão a dar os primeiros passos com as DSLR em video estão constantemente a comprar objectivas, ... è só uma pessoa, um op. de câmera, mas tentam fazer o máximo possivel com o equipamento adquerido.

Na pós-produção, vão ter muito mais imagens para editar, mais dificuldade em sincronizar as imagens provenientes das várias câmeras, problemas com a sincronização do audio do gravador, ... entregam o material em DVD, Blu-Ray e ficheiro, com as consequentes percas de tempo a que a compressão diferenciada obriga para cada tipo de suporte, ...

Há 10 anos atrás, era uma câmera e uma edição simples, pois o objectivo era rentabilizar o equipamento e tentar ganhar a vida. Hoje, é uma multitude de equipamentos, o mesmo individuo para operar todos eles, muito mais tempo perdido na edição e o preço cobrado é cada vez mais baixo. A qualidade (teóricamente) aumenta, o investimento aumenta, o tempo dispendido na edição aumenta, ... mas os preços diminuem.

É uma lógica que não compreendo.

Boas.
O profissional inovador não segue a multidão. Ele tem lucidez para remar contra a maré e não se importa em ser taxado como "um estranho no ninho". - Luiz Roberto Carnier

Offline Filipe Araújo

  • Veterano
  • *****
  • Mensagens: 736
Re: Passado e presente
« Responder #1 em: 16 / Jul / 2013, 11:26 »

 Boas,


 como sempre grande texto, já o disse no passado, José Costa poderia ter sido jornalista, pelo menos escrever cronicas.

 Eu encontro respostas, só não acho que seja justo.

 1) Há menos casamentos.

 2) Face a actual qualidade dos visores e pós produção, há um maior controlo do processo. logo menos riscos. Criando um paralelismo com a fotografia, a diferença de riscos com leituras é enorme.

 3) Maior numero de elementos com formação superior na area. Face a crise no cinema, moda, etc ... voltam-se para outros mercados, incluindo os BBC. A resposta defensiva muitas vezes feita pelos da velha guarda passa muitas vezes por baixar os preços.

 4) A web, cada vez mais há preços publicados, clientes cada vez menos fieis. "Quem faz mais barato é que é meu amigo".


  Como disse, "Eu encontro respostas, só não acho que seja justo.", concordo consigo, creio que hoje dá-mos mais de nós por menos, ou pelo menos não existe uma justiça na remuneração equitativa.


 Obrigado pelo texto,
 Filipe Araújo.

PortugalVideo - Fórum

Re: Passado e presente
« Responder #1 em: 16 / Jul / 2013, 11:26 »
www.grupeer.com


Offline nuno Silva

  • Visitante
  • Mensagens: 1
Re: Passado e presente
« Responder #2 em: 16 / Jul / 2013, 20:45 »
A todos os que pelo próprio esforço e dedicação, resistem à tentação de diminuir os custos de um trabalho de reportagem de vídeo..... Parabéns a todos.

Ou será uma mera necessidade, para ganhar alguns dinheiros afim de levar uns trocos que possibilitaram á familia resistir a tanta crise?

Não sei qual dos cenários será o correto!

Eu mantenho-me fiel a um principio:

"A qualidade pagasse".


PortugalVideo - Fórum

Re: Passado e presente
« Responder #2 em: 16 / Jul / 2013, 20:45 »
www.grupeer.com


 

www.grupeer.com